Uma história sobre como o esporte ensina meninas a serem corajosas

“Que oportunidade incrível para ela quebrar esse medo de fracassar. Obrigada!”

Essa foi a frase que a mãe de uma das minhas melhores atletas sub-12 me disse, sorrindo, momentos após vencermos a semifinal da Copa Nescau há cerca de duas semanas. A disputa foi para os pênaltis e a filha dela foi escolhida pra ser a terceira a cobrar. Se ela fizesse, nós estaríamos na final. E ela fez.

No tempo regular, essa mesma atleta havia tido um momento de muito medo. Nós saímos atrás no placar e o jogo estava difícil. Pra piorar, esse era o mesmo campeonato do qual havíamos sido eliminadas ano passado, e ela, sempre muito competitiva, certamente não queria perder de novo. Quando finalmente empatamos, ela começou a se sentir mal. Enquanto comemorávamos o nosso gol, ela chorava e dizia que o estômago estava queimando, e então a levei até a enfermeira enquanto o jogo seguia. Pra conseguir acalmá-la, saímos do ginásio, que naquele momento estava absurdamente barulhento refletindo a emoção da torcida e dos times que lutavam pela vaga na grande final.

Do lado de fora, essa mesma mãe veio nos encontrar e perguntou o que houve. Ela tinha nos visto saindo da quadra e veio correndo da arquibancada ao nosso encontro. Bastou alguns segundos de conversa e ela logo captou o que estava ocorrendo, e não teve dúvidas em dizer: “filha, isso que você está sentindo é vontade de ganhar. Agora volta lá e enfrenta isso porque o time precisa de você”. Nossa pequena craque engoliu o choro e, sem contestar, seguiu direto de volta pro jogo. Minutos depois ela estaria cobrando o pênalti decisivo, com uma convicção única, e correndo pro abraço das colegas pra comemorar a classificação. Adeus, medo. Hoje, eu te venci.

Mesmo depois de vencermos a final e levarmos o título histórico pra casa, em uma partida que mereceria um texto à parte, esse foi o momento que mais me marcou. Essa mãe soube mostrar à sua filha que a gente nunca vai saber o tamanho do nosso medo até enfrenta-lo, e que ter a coragem de fazê-lo é o que mais importa.

Essa história não é sobre o sabor da vitória, é sobre o processo de encarar um desafio de frente. É sobre não desistir quando achamos que iremos fracassar.

(Os pênaltis da semifinal da Copa Nescau 2018)

Quantas vezes na vida nós, mulheres, tomamos uma atitude verdadeiramente corajosa? Quantas vezes fazemos uma escolha sem nos preocupar em sermos perfeitas naquilo? Meninas não são ensinadas a arriscar, e assim nos tornamos mulheres habituadas a buscar apenas os caminhos em que já sabemos que somos boas.

E não é que não sejamos boas para as outras opções, mas não estamos acostumadas a enfrentar desafios. Estamos acostumadas a sermos ótimas, excelentes, e por isso desistimos mais rápido quando lidamos com uma situação na qual achamos que não vamos atingir esse nível de perfeição.

“Um relatório da HP descobriu que homens candidatam-se a um emprego se atenderem apenas 60% dos pré-requisitos. Mas as mulheres? As mulheres se candidatam apenas se tiverem 100% dos pré-requisitos”. Escutei esse dado em um TED intitulado “Ensine coragem às meninas, não perfeição”, apresentado pela empreendedora Reshma Saujani, fundadora do “Girls Who Code”, um projeto que educa meninas a aprenderem a programar, uma função de pura tentativa e erro.

O esporte é uma ferramenta maravilhosa para ensinar nossas meninas a serem corajosas. A enfrentarem o medo de entrar em quadra, diante de centenas de torcedores, e correr o risco de não ganhar. A arriscar um chute ou um drible diferente, mesmo sabendo que pode não dar em nada ou que pode até acabar gerando um contra-ataque pras adversárias. A escolher bater o pênalti decisivo e carregar nas costas o peso de poder ser quem salvou ou quem desperdiçou o sonho do time e de toda a torcida.

Metade da população mundial é feminina. Se estamos criando as meninas para serem perfeitas e os meninos para serem corajosos, estamos desperdiçando 50% do potencial da nossa humanidade. Logo, comecemos hoje a fazer como a mãe da minha atleta e digamos às meninas que conhecemos para encararem seus medos de frente e sentirem que o sabor da coragem é muito mais gostoso do que o da perfeição.

Fonte: Júlia Vergueiro

Júlia Vergueiro

ju

Sócia-Presidente do Pelado Real Futebol Clube Alumnus 2018 do Global Sports Mentoring Program (EUA) IG @vergueirojulia